Aberto Edital para Agente de Leitura

Encontros na ALB

Prêmio Literatura de Cordel

Poetas, editores, produtores e pesquisadores que atuam com as culturas populares agora têm um prêmio para o desenvolvimento das suas produções, primeira ação de incentivo ao cordel desde a regulamentação da profissão, em 14 de janeiro. O Ministério da Cultura lança nesta terça-feira, dia 8 de junho, às 18h, em Juazeiro do Norte (CE), no Centro Cultural do Banco do Nordeste Cariri (Rua São Pedro, 337), o Edital Prêmio Mais Cultura de Literatura de Cordel 2010 – Edição Patativa de Assaré.

Serão selecionadas 200 iniciativas culturais vinculadas à criação e produção, pesquisa, formação e difusão da Literatura de Cordel e linguagens afins. Estão orçados R$ 3 milhões, distribuídos entre as iniciativas contempladas. As inscrições encerram-se dia 30 de julho de 2010.

O prêmio vem ressaltar a importância da Literatura de Cordel como patrimônio imaterial brasileiro, entendendo sua unicidade e papel fundamental na construção da identidade e da diversidade cultural brasileira. Podem concorrer poetas, repentistas, cantadores, emboladores, xilógrafos e demais artistas populares e profissionais da cultura em quatro categorias.

Na primeira categoria, voltada para a Criação e Produção, serão 100 prêmios, sendo 80 publicações de obra inédita ou reeditada em folheto de cordel no valor de R$ 7 mil cada, e 20 produtos artísticos formatados em livro, CD e DVD voltados para a literatura de cordel, xilogravura, repente, cantoria, coco, aboio e embolada no valor de R$ 22 mil cada.

Para a categoria de Pesquisa (dissertações de mestrado, teses de doutorado ou reedição de livros publicados até 30 de maio de 2010) serão contempladas 10 iniciativas, no valor de R$ 25 mil cada.

Outros 50 projetos serão contemplados na categoria de Formação, destinada tanto para a qualificação de profissionais como para a formação leitora do público em geral, através do Cordel (cursos, seminários, oficinas, dentre outras atividades sócio-culturais de caráter educativo). Serão 10 prêmios para a manutenção e ampliação de atividades existentes, no valor de R$ 25 mil cada e outros 40 para projetos novos, no valor de R$ 15 mil cada.

Aqueles que divulgam o cordel e suas manifestações afins também poderão concorrer ao prêmio nesta edição, na categoria Difusão, que beneficiará 40 propostas. Os projetos podem ser em formato de evento (festivais, mostras, de shows e espetáculos, feiras, etc.) ou de produto cultural (como jornais, revistas, programas de rádios e sites, entre outros). Em qualquer um dos formatos, os prêmios serão divididos da seguinte forma: 10 iniciativas existentes (manutenção e ampliação da programação), no valor de R$ 30 mil cada, e 30 novas iniciativas, no valor R$ 20 mil cada.

Podem participar Pessoas Físicas com comprovada atuação na área literária ou cultural e Pessoas Jurídicas de direito privado, com ou sem fins econômicos com no mínimo três anos de existência e comprovada atuação em atividades de cunho literário, artístico-cultural e/ou editoriais. Neste caso, a inscrição está aberta para as categorias de produção, formação e difusão. Cada candidato poderá inscrever até dois projetos, em categorias diferentes, podendo ser selecionado em apenas uma das categorias inscritas.

Confira o edital e os anexos:

Edital

Anexo I – Formulário de Inscricção

Anexo II – Formulário de Recurso

Mais Informações: (61) 2024 2628 / 2631

MinC lança editais para Agentes de Leitura

Jovens de comunidades carentes vão poder incentivar seus vizinhos a ler e, com isso, ter complementação de renda. O projeto Agentes de Leitura, do Ministério da Cultura (MinC), irá selecionar e formar 4.574 agentes em parceria com nove estados, 21 prefeituras e três consórcios municipais, beneficiando cerca de 450 mil pessoas nestas localidades. Os editais descentralizados serão publicados entre junho e agosto.

As inscrições já estão abertas no Acre. No próximo dia 30 o edital será lançado em São Leopoldo (RS). No início de julho o estado do Rio de Janeiro e as cidades de Nilópolis (RJ) e Osasco (SP) também lançam seus editais. Estão sendo investidos R$ 30,3 milhões na ação, sendo R$ 20,6 milhões do MinC, R$ 3 milhões do Ministério da Educação (MEC) e o restante de contrapartida de estados e municípios.

O projeto, integrante do Programa Mais Cultura, foi inspirado na experiência do Ceará, criada em 2005 pelo governo do estado. Os agentes de leitura são jovens entre 18 e 29 anos, com ensino médio completo, situados, preferencialmente, em um contexto socioeconômico do programa Bolsa Família, selecionados por meio de uma avaliação escrita – interpretação e produção textual -, fluência de leitura e uma entrevista domiciliar. Os jovens recebem uma bolsa de complementação de renda, no valor mensal unitário de R$ 350.

As bolsas concedidas têm duração de um ano, podendo ser prorrogada por igual período. Feito o processo de seleção, os agentes passam por uma formação continuada, realizada pela Cátedra Unesco da Leitura. O projeto é uma das estratégias do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL) visando a democratização do acesso ao livro e formação leitora.

Os agentes de leitura trabalham como os agentes de saúde: vão de casa em casa promovendo as ações, neste caso, de incentivo à leitura, de forma integrada com a Biblioteca Pública Municipal e com a escola da comunidade onde atuam.

Cada jovem cadastra um grupo de até 25 famílias de sua comunidade, onde desenvolvem atividades de formação leitora, por meio de visitas domiciliares, empréstimos de livros, rodas de leitura, contação de histórias, criação de clubes de leitura e saraus literários abertos à população em geral.

“Os agentes de leitura são construtores de pontes, gerando encontros e comunicações, facilitando o acesso aos bens e serviços culturais. É como se o agente de leitura dissesse: ‘que livro lindo, preciso compartilhar essa beleza com outras pessoas”, diz o diretor de Livro, Leitura e Literatura da Secretaria de Articulação Institucional do Ministério da Cultura, Fabiano dos Santos Piúba. Ele destaca o caráter transformador da ação de identificação da comunidade. “Em Mucambo, no Ceará, a Dona Antonina, uma moradora da região, ao ouvir a contação falou: eu não sabia que a minha história está toda nesse livro”.

Inscrições Abertas

O município de São Bernardo do Campo, em São Paulo, foi o primeiro a lançar o edital de agentes de leitura em março deste ano. Foram 770 inscrições e 661 habilitados. Deste total, 80% foram mulheres. O edital vai selecionar 400 agentes de leitura que serão formados para atuar em 19 localidades da cidade. O processo seletivo de São Bernardo do Campo está previsto para o dia 1º de agosto.

O Acre é o primeiro dos estados a abrir o edital de seleção e formação de agentes de leitura, com inscrições até o próximo dia 18 de julho. As bolsas integrantes do edital se dividem em duas categorias: Agentes de Leitura – 80 jovens que atuarão como mediadores culturais – e Agente Articulador de Leitura – oito pessoas que farão o acompanhamento sistemático e avaliação dos agentes.

Em Nilópolis, as inscrições começam em julho. Na cidade serão selecionados 20 agentes de leitura e quatro articuladores. Serão beneficiadas seis comunidades do município. Para o mesmo mês também está previsto o edital de seleção do estado do Rio de Janeiro, com 200 agentes atendendo 16 municípios – incluindo a capital. Também no início do próximo mês, Osasco lança o edital para 90 agentes e dez articuladores, atendendo cerca de dez mil pessoas, incluindo alunos da rede municipal de ensino.

Entre os estados que farão seleção de agentes de leitura, a Bahia é o com a maior quantidade (572), seguida do Pernambuco e Rio Grande do Norte (ambos com 550). Entre as prefeituras, os maiores volumes ocorrem em São Bernardo do Campo (400) e Joinville, em Santa Catarina, e Osasco (100 cada). Três microrregiões lançarão também os editais, por meio de consórcios municipais (união de várias prefeituras) nos estados de São Paulo e Minas Gerais.

O programa, que se inicia com o lançamento dos editais, poderá ser estendido para outros países da América Latina e Caribe. Em visita recente à Diretoria de Livro, Leitura e Literatura da Secretaria de Articulação Institucional do Ministério da Cultura (SAI/MinC), a subdiretora de Leitura, Escrita e Biblioteca do Centro Regional para o Fomento do Livro na América Latina e Caribe (Cerlalc), Maria Elvira Charria Villegas, escolheu esta ação do Programa Mais Cultura para levar, agora em junho, a organismos de financiamento internacional. A proposta dela é que tanto o Brasil como outros países da região possam receber recursos financeiros para a ampliação ou implantação dos agentes de leitura.

Última semana para inscrição do VivaLeitura

Desde 2006, a Fundação Santillana patrocina e executa o Prêmio VivaLeitura, instituído pelo Ministério da Educação (MEC), Ministério da Cultura (MinC) e pela Organização dos Estados Ibero-Americanos (OEI). Trata-se de uma iniciativa de incentivo e fomento à leitura que conta com o apoio do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e do Plano Nacional do Livro e da Leitura (PNLL).

Nas três primeiras edições, o prêmio contabilizou mais de sete mil projetos inscritos, que concorreram em três categorias: Bibliotecas públicas, privadas e comunitárias; Escolas públicas e privadas; e Pessoas físicas, universidades, faculdades e instituições.

O Prêmio VivaLeitura integra a filosofia da Fundação Santillana, cuja trajetória sempre foi a de apoiar experimentos inovadores na educação e na cultura.

A duração inicial prevista para o Prêmio VivaLeitura será de dez anos (2006-2016). O sucesso da premiação levou à ampliação de sua base geográfica para outros países da América Latina. A Argentina, por exemplo, já teve uma primeira edição.

Confira aqui o regulamento e inscreva-se

Mais informações: http://www.premiovivaleitura.org.br

Poesia Ouvida

Últimos dias pra se inscrever!